Chimichurri Galvão al Khouri

Antes de continuar com as fotos do dia mais lindo de 2011,  uma pausa para um assunto muito importante. A família Galvão Al Khouri acaba de crescer. Somos pais de um filho de quatro patas, peludo e lindo demaissss. Chimichurri é um Lulu da Pomerânia e eu que sempre tive cachorro (saudades do Iaguinho) sabia que ele ia se tornar a coisinha mais importante da vida quase que instantemente. Engraçado que o Lee que nunca viveu isso era cheio de regras, achava todas as minhas preocupações frescuras e hoje ele é o pai mais babão do mundo.  Se ele acorda depois de mim, vai até o quarto de TV e pergunta direto “Cadê o Chimi?” Nem bom dia para esposa aqui, rs. Mas eu entendo, ele é irresistível.

O combinado era que eu poderia ter meu Lulu quando fizéssemos 1 ano de casados, mas fui liberada antes numa tentativa de sufocar meu instinto (psycho) maternal. Com o sinal verde comecei a procurar filhotes na internet até que achei o Chimi no mercado livre em um canil em Minas. Ele tinha 1 mês e precisavamos esperar 15 dias pra ele tomar a primeira dose da vacina múltipla e poder desmamar por completo. (Até hoje ele ainda sonha que tá mamando, gracinha!). Não preciso dizer que eu atazanei a vida das criadoras esses 15 dias pedindo, fotos e notícias do meu filho.

Segunda passada, véspera do feriado ele chegou de avião (pobrezito) e eu e o Lee levamos ele pra casa. Assim que ele chegou ele devorou um potinho de ração e fez xixi no lugar que a gente ensinou, um gentleman.

A noite ele dormiu no nosso quarto e chorou um pouquinho, mas nada muito absurdo. No dia seguinte levamos ele no veterinário e ele tomou uma vacina para verme e uma vitamina. Chorou tanto coitadito, quase chorei junto… Imagina como deve ser com filho? Credo!

Com todo esse sofrimento ele dormiu a tarde inteira. Acordava, brincava um pouco, fazia um xixi e dormia mais.

Durante essa primeira semana eu fugi na hora do almoço para garantir que ele tava tranquilo sozinho em casa. Gente ele é muito bonzinho! Eu sei que o ideal é um cãozinho ter companhia durante o dia, mas como para gente é impossível acordamos 5 e pouco da manha para brincar bastante com ele e compensar.

Além de não chorar quando fica sozinho, o independente decidiu que não queria dormir no nosso quarto e vai sozinho para o cantinho dele na cozinha dormir. Se a gente deixa a gradezinha destrancada ele vem acordar a gente super cedo(madrugada mesmo, a rotina dele é muito morcega), mas se ele fica fechado ele brinca com o ossinho dele até acordarmos e irmos lá.

Nos primeiros dias ele era todo amor para mim, agora tá muito puxa saco do Lee… tô sofrendo! ahahaha

Babem no nosso filho:

Recém nascido.

Esperando no aeroporto.

Moço trazendo meu bebê.

Ele tava tão assustado que ficou encolhidinho na gaiolinha, tadito.

 

 

Só ficou no meu colo porque tava assustado que tinha um monte de gente estranha em casa.

 

Adoro um ossinho.

 

 

Ah cansei, fala sério!